sexta-feira, 4 de maio de 2012

Entrevista com Gilberto Magno


 Buenas, gurizada. Semana de entrevistas aqui no blog, e hoje trazendo como convidado o meu amigo Gilberto Magno, artista vindo do interior de Minas Gerais que trabalha no mercado de games como modelador e animador, tendo já atuado em diversas partes do país.

Gilberto, que segundo Lilian Magna, sua excelentíssima primeira dama, é a versão brasileira do Joey Tribiani da série Friends (e por diversos fatores sou obrigado a concordar com ela), além de um grande artista 3D, desenha, pinta e agora está se aventurando com escultura, além de ter muitas histórias para contar.

So, what's u'r problem, m8?!?! Let's get start with this fucking interview, man, 'cause he is the guy!! LET'S GOOO!!


1 - Gilberto, você desenha, pinta de maneira tradicional, modela e anima. Como começou o seu interesse por cada uma destas atividades e como elas influenciaram em seu trabalho com arte para games?
GM:  Eu sempre gostei de desenhar, assistir filmes e de jogar vídeo games. Não tive uma influência artística direta da minha família, apenas queria muito saber como os desenhos animados eram feitos e como eu podia controlar os personagens de games com um simples joystick. Meu primeiro contato com a modelagem veio através do meu pai, que era dentista. Ele me dava a cera para brincar e eu acabava fazendo personagens com ela, "daquele jeito" rsrsrs... no interior e naquela época não tinha muito acesso a toy arts, então tinha que fazer os meus próprios, o que foi bom para despertar a criatividade. Essas coisas foram minhas primeiras influências.


2 - Como foi o início dos seus estudos? Haviam escolas em Minas Gerais para passar os conhecimentos que você necessitava ou teve que aprender por outros meios?
GM:  Pois é! Infelizmente na época não tinha muitos cursos de artes no interior, os que tinham, eram mais voltados a pinturas de paisagens a óleo e desenho tradicional acadêmico. Não que seja ruim, pelo contrário, isso me deu muita base, mas nunca fui muito aos cursos, pois queria algo mais. Para dizer a verdade, o que mais me ajudou no inicio, foi um curso em VHS que um amigo me deu da editoria Larousse, que se tratava de desenho tradicional, aprendi a desenhar retratos através desse curso. Desde então, comecei a pegar retratos para fazer de amigos que queriam impressionar suas namoradas e coisas do tipo heheh. Com mais segurança em meu traço, peguei meu primeiro trabalho para valer, que foi fazer charges para um jornal local. Mas ainda não era o que realmente eu queria...

 
3 - Você é um cara cheio de histórias. Conte aquela do quadro no RJ e também aquela do PROJAC:
GM: Minha vida pessoal, artística e em todos os sentidos,  fez mais sentido depois da minha ida para o Rio. Lá posso dizer que desci ao inferno e subi aos céus, digo no sentido de sofrimento e amarguras, alegrias e conquistas. Eu decidi ir para o Rio em uma época que não sabia mais o que fazer da minha vida. Sem perspectiva nenhuma, já tinha tentado muitas coisas e todas tinham dado errado, estava em uma situação que preferia a morte do que continuar daquela maneira. Então foi onde fui para o tudo ou nada. Vou resumir para poder contar aqui, em outra ocasião publico um livro com essa história completa (hehe).

Pois bem, não tinha dinheiro nem para comer, mas consegui grana para comprar uma passagem para o Rio com o prefeito da cidade onde morava, chamada Frutal, que fica no triângulo mineiro. Alguns amigos também me deram dinheiro para me ajudar na jornada. Chegando no Rio, fui direto ao estúdio de animação que estava promovendo um evento pelo Brasil. Chegando lá procurei o responsável afim de apresentar meu portifa. Ele não estava presente no momento, mas fiquei sabendo que ia dar uma palestra no Projac. Então peguei um ônibus e fui até lá. Chegando, perguntei para uma das recepcionistas se realmente iria ter a palestra e ela confirmou. Aguardei por bastante tempo na recepção até me irritar, sabia que ia ter que  entrar sem crachá, como estava em uma época que era tudo ou nada, pulei o muro sem ser visto e caminhei até um segurança e perguntei a ele onde ia ser a palestra. Segui até o pavilhão indicado e ainda faltava alguns minutos para começar. Com aquele tempo que faltava, aproveitei para andar e assistir algumas gravações de Malhação e Sob Nova Direção, quase entrei como figurante heheeh. Voltei para a palestra, e antes mesmo dela começar deram um banquete maravilhoso, que por sinal veio na hora certa, estava morrendo de fome. Sobre a palestra não tem muito o que falar, foi sensacional, sobre animação 3d,  pois na época estava começando a virar moda. No fim, fui falar com o responsável e mostrar meu portifa. Ele olhou, olhou, olhou de novo...  e disse: "poxa, muito legal seus desenhos" mas em que posso te ajudar? Nesse momento já estava praticamente só eu e ele no recinto. Contei minha historia para ele, inclusive que tinha pulado o muro só para falar com ele e tal, mas ele disse que não podia me ajudar pois só estava apresentando e não fazia muita coisa de fato em seu estúdio, mas que eu podia visitar o estúdio no dia seguinte. Ele me perguntou como eu iria sair dali. Eu disse que me virava e que estaria em seu estúdio na hora marcada.

Resumindo bastante, conheci um segurança gente boa que me permitiu dormir no alojamento deles e me arrumou passagem para voltar onde deixei minha mala. Fui até o estúdio mas não deu em nada. Tinha deixado minha mala em uma igreja evangélica, entre os bancos. Quando voltei lá soube que um pastor tinha guardado minha mala. Contei para ele minha história e o responsável pela igreja me levou para trabalhar em uma gráfica deles e morar em um alojamento. Fiquei lá por 10 meses e foi fundamental, pois aprendi a finalizar trabalhos com nanquim e a usar o photoshop para impressão. Sai de lá por conta própria, aluguei um quarto e fui pintar um quadro da Monalisa na ilusão de vendê-la por um valor alto e me sustentar por enquanto. Não é que deu certo, pintei e vendi por 5 mil reais, para mim na época era muito dinheiro, pois não tinha 130 para pagar o aluguel. E por aí vai...



4 - Você é mais um dos nômades das artes digitais que tenho o prazer de conhecer. Conte-nos como foi a sua trajetória:
GM: Depois de sair de Minas e ir para o Rio, vim para São Paulo após pedir transferência na empresa que estava. Fiz de propósito, porque queria estudar animação na Academia de Animação, que hoje é a Arte Academia. Nessa empresa, aconteceu algo que mudou minha vida para sempre, foi onde conheci minha esposa Lilian, companheira para todos os momentos, que me apóia sempre, parece um anjo que entrou na minha vida. Dali fui trabalhar na Kaizen Games, onde tive meu primeiro contato com jogos, fazendo assets e animações para o Second Life. Depois fiquei de freela, nessa época participei de um game feito em Unity 3d  para a Volkswagen. Foi nesse meio tempo que fui chamado para trabalhar na Hoplon Infotaiment em Florianópolis, a chamado de um amigo que DEUS o tenha, Marcelo Carvalho. Fiquei na Hoplon por cerca de 1 ano e meio, onde aprendi muito. Fiquei um tempo de freela depois e fui trabalhar com uma galera talentosa na Vesta Gamming, onde tive o prazer de conhecer grandes artistas e grandes pessoas, entre elas você, meu caro amigo. Depois de um certo tempo, senti a necessidade de fazer novos cursos e retornei a São Paulo. Nesse meio tempo recebi uma proposta para vir trabalhar na Maya Games, onde fizemos o game Legendary Heroes, o qual me orgulho de ter feito parte.


5 - Fale um pouco sobre o seu processo de trabalho:
GM: Antes de fazer qualquer trabalho eu busco referências, como trabalhos de outros artistas talentosos que vejo em vários sites de portfólio e fóruns, ou crio um personagem da minha própria mente. Com a idéia definida eu parto para os esboços, seja no papel ou no photoshop, depende da ocasião. Geralmente faço estudo de silhuetas no photoshop e alguns thumbs prefiro fazer no papel. No 3D, quando é algo mais orgânico eu começo e finalizo no próprio Zbrush, mas quando tem algo mais geométrico, que exige mais precisão, eu uso o Maya, mas estou sempre transitando entre eles, muito raro usar só um. Para as texturas eu uso, Zbrush, Bodypaint e Photoshop. Não tenho muita exigência com ambiente de trabalho, desde que eu tenha as ferramentas para trabalhar, mas gosto dos mais descontraídos possíveis. :). Sobre música... gosto muito de U2, Pearl Jam, Godsmack, Smashing Pumpkins, Red Hot, Foo Fighters entre outros.



 6 - Eu tive o prazer de presenciar algumas etapas do processo de criação da sua versão do personagem Lion-o, da série animada dos Thundercats dos anos 80 (que aliás ficou animal). Fale um pouco do que te levou a escolher este personagem e como foi o desenvolvimento do trabalho.
GM: Valeu man, o prazer é todo meu! Então, Thundercats, foi um dos desenhos que mais marcou minha infância, naquela época eu queria muito ser o Lion-o rsrsr... Eu escolhi ele também, além de ser o personagem que mais gostava, pelo simples fato dele ter a musculatura muito bem definida. Eu estava estudando muito sobre anatomia, então resolvi unir o útil ao agradável, fazer algo que gosto e colocar em prática os conhecimentos. Aliás, isso é algo que sempre faço, escolher algo que está faltando em meu portfólio e que eu preciso mostrar que sou capaz.


 7 - Você está agora trabalhando em São Paulo na Maya Games, e a algum tempo atrás vocês lançaram um game no estilo Dota, o Legendary Heroes (citado na resposta 4) para Ipad/Iphone, e que também ganhou uma versão para Android. Como foi trabalhar neste projeto e como é ver ele alcançando resultados tão bons no mundo inteiro?
GM: Fazer parte desse  projeto foi sensacional. A razão principal para o sucesso do game foi o empenho de toda a equipe que deram o seu melhor. Estávamos em poucos, mas todos experientes e  sabiam exatamente o que estavam fazendo, claro que sempre tem algo que aprendemos durante o processo, por exemplo eu não sabia fazer efeitos especiais para os skills e acabei desenvolvendo muitos deles. Por ser uma equipe reduzida foi muito interessante, pois deu para participar de muitas etapas, desde concepts a modelagem, texturização e animação. As dificuldades foram mais na otimização, como era um game para mobile havia muitas limitações.



8 - Todo convidado é obrigado a responder o nome de APENAS 5 artistas que o deixam babando. Curiosamente todos me passam a perna e acabam deixando escapar uns nomes a mais, e conhecendo você bem (seu grandessíssimo fanfarrão), já imagino que você vá fazer o mesmo, então, quais são os nomes que mais influenciam no seu trabalho?
GM:  Cara, você tem razão, vou passar de 5 :).
 - Na pintura, o que sou mais fã é Rembrandt, por achar ele o mestre da iluminação. Na escultura, Mr. Michelangelo e Da Vinci pelos seus desenhos fantásticos. Mais atuais tem o grande Frazetta, Tony Diterlizzi, Joe Mad, Paul Richards, Jason Chan, Daryl Mandryk, Alex Oliver. No 3D, quem mais me influenciou desde sempre foi o Fausto Di Martini, Antropus e Alessandro Baldasseroni.
(comentário do Charles: não só passou dos 5 como chegou a um novo nível no quesito "passar a perna no entrevistador");





9 - Ano passado, uma imagem de um livro mostrado pelo nosso amigo Paulo Ítalo gerou a você uma história muito legal. Conte a história da sereia:
GM: Pois é! Um dia o Paulo me mostrou o artbook das Crônicas de Spiderwick, e fiquei maravilhado com aquela sereia, Caribbean Mermaid. Já conhecia os trabalho do DiTerlizzi, mas aquele específico ainda não tinha visto. Então falei para o Paulo que ia modelar ela. Devido a vários contratempos eu levei 6 meses para concluí-la. Fiz uma postagem no meu blog com ela em andamento e um tempo depois, recebi alguns comentários, entre eles, um do próprio Tony Diterlizzi, perguntando se ele poderia postar no blog dele. Oh my god! Até pensei que era alguém zuando, pensei que fosse você ou o Paulo heheh, daí mandei um e-mail para o Tony, e era o próprio. Quando terminei ela, ele postou em seu blog como prometido. Fiquei muitoooo feliz por ele ter gostado, foi muito gratificante e incentivador. Postei ela em alguns fóruns e também só teve comentários positivos, fiquei muito feliz por tudo!

  
10 - Você pode nos mostrar um pouco das etapas de produção desta personagem?
GM: Iniciei ela no Maya, para garantir sua silhueta marcante e fiz os detalhes finos no Zbrush. Os mapas para textura como normal map, displacement, difuse e specular gerei no Zbrush mesmo e finalizei no Photoshop. O render final fiz no Maya usando o Mental Ray e Photoshop para pós-produção.



11 - Está trabalhando em alguma nova imagem como a do Lion-o ou a sereia? Quais os planos para o futuro?
GM: Estou fazendo um Sub-Zero, para um curso que estou dando de modelagem para um amigo, mas também tem um outro que vou fazer surpresa, quando estiver mais encaminhado eu mostro :). De planos, pretendo ir para alguma empresa de game lá de fora, mas nada definido.


12 - Te agradeço imensamente por ter respondido a estas perguntas, meu caro. Teu trabalho e tua trajetória são admiráveis e tenho certeza que servirão de exemplo pra muita gente. O que tu gostaria de dizer para quem está começando a criar interesse por desenho, modelagem, animação ou games?
GM: Uma coisa eu posso afirmar, o caminho é árduo e as vezes injusto, mas ao mesmo tempo gratificante. Vale a pena insistir no seu sonho, conhecimento é algo que ninguém pode tirar de você. Estude bastante, use sempre referência para ajudá-lo, mantenha-se atualizado, a melhor forma de fazer isso na nossa área é acompanhar os grandes fóruns como, CG Hub, CG Society, Zbrush Central, 3D Total, Polycount entre outros. Tenha foco, não seja um faz tudo, se especialize, é bom saber um pouco de tudo sim, mas tenha um foco, e pratique sempre, sempre, sempre... Mesmo uma pedra preciosa precisa de lapidação, assim nosso trabalho, para ficar bom precisamos ajustar aqui e ali, então não tenha pressa para entregar uma peça, cada trabalho e artista tem seu tempo. Boa sorte a todos, e Charles, muito obrigado por tudo e um grande abraço!


Bueno, gurizada, é isto. Espero que tenham gostado, e para quem quiser conhecer mais sobre este artista e seu trabalho, acesse:
http://gilbertomagno.blogspot.com.br/

E agora eu vou ficando por aqui. Gilberto, meu velho, muito obrigado pela entrevista e acessaí: "www.hastaluego.com.br" hahaha.

6 comentários:

Fabynha's disse...

Muuito boa a entrevista.

Batha disse...

Esse rapaz tem muito futuro ainda! Muito inspiradora essa entrevista!

Gilberto Queiroz disse...

Puxa, mais uma grande entrevista e artista!!
Abração,

Renato de Medeiros disse...

caralho q foda a historia do cara. esse sim, é um cara determinado e inspirador, boa sorte para ele e pode ter certeza q esse vai longe!

Renato de Medeiros disse...

caralho q foda a historia do cara. esse sim, é um cara determinado e inspirador, boa sorte para ele e pode ter certeza q esse vai longe!

Diário de um desenhista em evolução. disse...

Galera, que bom que vocês gostaram da entrevista. Além dos comentários aqui no blog, algumas pessoas já vieram conversar comigo via gtalk, facebook e afins elogiando a matéria com o Gilberto. E galera, acreditem, eu conheço ele pessoalmente, o cara é um profissional dedicado pra caramba e uma grande pessoa.

Acompanhem o trabalho dele, tenho certeza que vocês vão gostar muito!!