sexta-feira, 6 de abril de 2012

Entrevista com Augusto Minighitti


Buenas, gurizada. Enquanto meus posts andam devagar quase parando, as entrevistas continuam sem falta. Hoje trago um artista com muita história pra contar: Augusto Minighitti.

Ilustrador, fotógrafo, este paulistano possui um trabalho fantástico, resultado de anos atuando em trabalhos publicitários, editoriais, para a TV, animação, e da convivência com grandes mestres da ilustração e quadrinhos nacionais.

Minighitti, ou Minni para os mais chegados, está para lançar um livro com seus sketches, e em breve terá novidades a respeito. Quem acompanha seu trabalho sabe que com certeza será uma excelente fonte de referências para seus estudos, com figuras cheias de movimento, naturalidade e expressão. Conheçam agora um pouco sobre este artista e confiram um pouco do que ele tem a contar:


1 - Começando então pelo início, meu caro. Como e quando surgiu o gosto pela arte? 

AM:  ok, vamos nessa!!!...Surgiu com o 1º contato com a TV, livros e revistas em quadrinhos. Nesta minha época costumava assistir em uma grande TV General Eletric em branco e preto os desenhos animados do marinheiro Popeye e Pica-Pau que  nem eram dublados,  tinha também em casa vários livros ilustrados dos grandes clássicos e claro os “comics” que auxiliaram imensamente a ler e escrever e antes de entrar na escola já estava alfabetizado!....com tanta informação visual bacana não poderia ser de outra maneira, o gosto pela arte surge desde sempre! 




2 - Atualmente com tantas facilidades que a internet nos trouxe, o conhecimento está aí ao alcance de todos, mas até poucos anos atrás as coisas eram bem diferentes. Como foi para você estudar os conceitos de desenho em uma época em que a informação era um artigo raro e caro?

AM:  Realmente a tecnologia trouxe muito conhecimento, isto é, pra quem sabe usar corretamente e ter um pouco de  discernimento.  Você está certo, muitas coisas eram de certa forma difícil, por isso usei muito as histórias em quadrinhos como muleta copiando os grandes mestres, Hall Foster, Alex Raymond,  entre tantos, era a forma mais barata, com alguns centavos dava pra comprar várias delas em feiras livres. A questão do “caro” hoje em dia é relativo, veja quanto não custa um ótimo curso de Design , Modelagem, Concept entre tantos outros...ter um mestre do seu lado para te orientar sempre vai sair caro...você até pode ser um bom autodidata, mas vai levar no mínimo o triplo do tempo pra chegar em algum lugar....


3 - E quais eram as áreas de atuação para um ilustrador quando você iniciou sua carreira? Em qual você começou e como foi este início?

AM: As mesmas de hoje em dia, apesar de várias áreas terem sido criadas. Tinha a Publicidade que trabalhava com um novo conceito de época, implantado pelo grande publicitário Alex Periscinoto que trouxe EUA chamado de dupla de criação (redator + diretor de arte) e geralmente este diretor de arte era também um Ilustrador, as editoras também usavam praticamente ilustradores, entre outras áreas, no meu caso eu comecei como assistente numa antiga agencia do Pacaembu, adquirindo pouco a pouco experiência com os mestres da época...



4 - Você acabou (sem querer) dando aulas de ilustração, e acabou pegando gosto pelo ofício. Conte como começou esta história:

AM: O que é a natureza rsss   quando pensei que já estava encaminhado nas agências de Publicidade, veio a tona a área do ensino, nesta mesma época em que estava trabalhando na agência perto do Pacaembu, eu passava na Panamericana para tomar um café com os antigos mestres, numa dessas idas e vindas encontrei com o Manoel Victor Filho que me convidou na mesma hora para substituir um dos professores, a grana era muito melhor que na agência, fiquei com as aulas e nas horas vagas fazia os “frellas”, você até que tinha um bom retorno financeiro, bastava trabalhar 48 horas por dia!! Rssss... mas o maior retorno foi mesmo as amizades com os mestres e ver alguns grandes artistas, como o Schaal, Vilela, Alê Santos entre tantos outros que estão se dando muito bem hoje em dia... foram quase 20 anos nesta via sacra, depois montei um estúdio de arte com Nilton Santoniero e Munhoz numa travessa entre a Consolação e Frei Caneca, lugar muito bem freqüentado
 por travestis, cafetões, prostitutas pederastas e políticos...rssss..acho que foram mais uns 2 ou 3 anos até ser convidado por um Centro Universitário a montar, coordenar e dirigir os cursos de Desenho, Designer Publicitário, Designer de interiores, Artes plásticas...e Lá se foram mais 10 anos entre o ensino e os “frellas”!!!..atualmente estou preparando alguns cursos para montar uma sala\Studio para ministrar novamente algumas aulas e continuar com os trabalhos de arte para agências e produtoras...





5 - Você trabalhou durante boa parte de sua carreira com ilustração publicitária. Como era trabalhar as agências antes e como é atualmente, na sua opinião?

AM:  Tirando a tecnologia, não vejo tanta diferença, talvez porque nunca abandonei a carreira e fui sempre me adaptando ao novo... acho que o pior de tudo é quando temos que lidar com menino que tirou ontem o seu diploma e hoje usa o termo de Diretor de Arte, não tem vivência e usa algumas bobagens acadêmica que decorou e aprendeu com algum professor que nunca colocou um pé dentro de uma agência para aplicar em um brienfig profissional...isso realmente é um porre!!! Rsss...




6 - Seu trabalho é muito solto, graças a todo este tempo de experiência. Como é o seu método de trabalho, e o que e quem você estudou para alcançar tais resultados?

AM: Até hoje eu estudo, não pode parar nunca, tento absorver tudo que posso e naturalmente com o tempo vamos apurando o traço. Meu método de trabalho continua sendo o bom e velho grafite e papel para colocar minhas idéias ou algum brienfing nos eixos!!!... dependendo do projeto posso ser um artesão ou um tecnólogo!!rsss.. por exemplo, acabei de fazer hoje um storyboard para uma produtora e foi mais ou menos assim:

 - 2ª feira a tarde me chamaram para uma reunião com o diretor do filme que mora em NY, fui para a produtora e pelo Skype ele foi me passando as diretrizes do filme e fiquei desenhando na hora o conceito e os elementos  que ele vai colocar nas filmagens.

 - Aprovado e com estes rascunhos em mãos voltei para casa e comecei a fazer toda a pesquisa !...com as referências em mãos desenhei os 29 quadros ou frames em grafite sobre papel sulfite 95 gramas...algo bem simples...scaneei em alta resolução  e usei várias ferramentas e tutoriais
 para finalizar...

Esta é uma das diferenças, antigamente para separar as referências era um parto, depois com pincel pintar quadro por quadro, um trabalhão sem fim...conclusão: 4ª feira, todo o trabalho entregue!





7 - Você teve contato com grandes nomes do quadrinho nacional durante estes anos, desenhistas como Álvaro de Moya, Sebastião Seabra, entre outras feras que fizeram história. Como este contato influenciou no seu trabalho? Você chegou a produzir quadrinhos, também?

AM: Tive a sorte e o privilégio conhecer e ser amigo de muito deles. o Seabra é meu amigo de face, vira e mexe converso com ele, e por incrível que possa parecer, não o conheço pessoalmente acho que deve ser uma entidade de algum “nego veio”! rsss..quando eu era garoto ele e o Franco da Rosa já produziam uma tira em quadrinhos com o personagem do Capitão  no jornal Noticias Populares. Sempre acompanhei a carreira dele, tem um desenho e estilo que gosto muito e é uma pena ele não ter nascido nos EUA. Quanto aos amigos não virtuais, o contato influenciava e ainda influência muito até hoje...fiz poucas coisas de quadrinhos, o que é uma pena mas nesta terra de Vera Cruz só mesmo os grandes Heróis de quadrinhos de antigamente sobreviviam. Colonnesse, Zalla, Juarez Odilon, Nico Rosso, Rubens cordeiro, Claudio Seto entre outros....mas fiz alguma coisa para Mestre do Terror e para a versão brasileira da Heavy Metal....quanto a ouvir musica trabalhando... sempre! rsss... depende do projeto o estilo muda drasticamente para eu poder entrar no clima... o lugar para desenhar começa arrumado, depois de uns 3 minutos o caos impera... sempre procuro, na medida do possível, usar os matérias tradicionais o que sempre não acontece, mas vou em frente, não tenho muitas refações para fazer... mas quando vem, calmamente xingo até a última geração!!! 



8 - O mercado está sendo tomado pela arte digital. Em contrapartida, seu trabalho é bastante artesanal, usando muito nanquim, aquarela, guaxe, entre outros materiais. Como você lida com isto?
AM: Vejo muita arte digital... algumas bacanas outras muito ruins, em comum quase todas elas não tem alma... podem até ter um bom acabamento... mas um estilo marcante é muito difícil, quase raro! Gosto muito dos trabalhos tradicionais, da textura dos papéis, do cheiro do guache, tintas acrílicas...mas claro que hoje em dia tento usar o equilíbrio entre o tradicional e o digital...mas o tradicional não sai de moda nunca...podem até mudar as ferramentas... mas desenhistas são desenhistas, principalmente nos bastidores...é só assistir os extras de qualquer DVD de animação da Pixar\Disney, Dreamworks entre outras...veja se os desenhistas não são no fundo tradicionais... geralmente e quase sempre acabo divulgando os meus trabalhos clássicos, por ter uma assinatura em cada traço, cada linha cada mancha ou cada erro, o que me torna mais humano, os digitais vão apenas para os clientes e nada me significam, é um trabalho como outro qualquer que nem vão saber se fui eu que fiz ou se foi o artista X... é o que te falei, hoje procuro o equilíbrio!! 






9 - Durante sua carreira você trabalhou em muita coisa, desde ilustração editorial até material para a TV. Conte um pouco sobre sua trajetória:

AM: fiz muitas coisas diferentes, Ilustrações, Cenários. Pintura, Quadrinhos, Rotulagem, Painéis, Projetos Gráficos, animação... etc etc... o desafio de algo novo motiva!!... Claro que se fosse pra escolher o que mais gostaria de fazer seria Quadrinhos, sem dúvida nenhuma...mas a vida nesta terra de Vera Cruz nem sempre funciona exatamente como queremos...quando garoto fiz muitas coisas para pagar meus cursos...vendendo bonés na praia, trabalhando na feira, carregando caminhão, soldando peças em metalúrgicas, querendo trabalhar com desenhos e portas se fechando na cara... tudo um saco!... mas nunca perdi o foco... no meio desse caminho tive a sorte de encontrar com o grande artista e mestre Manoel Victor que me orientou muito... de resto acho que sou um camarada de sorte... faço a única coisa que sei fazer... desenhar... !!:)



10 - Vou te pedir para listar 5 artistas que te fazem pensar: putakipariu, mas que trabalho f...@:
AM: Só 5 artistas???rsss... são tantos..mas vamos lá...
Norman Rockwell: era um grande Ilustrador e pintor americano de um talento que putakipariu... fez mais de 300 capas para a revista Saturday Evening Post durante mais de 40 anos, retratava o American Way como ninguém retratou até hoje, e foi incrivelmente esnobado pelos críticos de arte da época... cujos palhaços ninguém mais sabe o nome, mas as obras e o nome desse grande artista continuam vivos até hoje!
http://www.nrm.org/

Frank Frazetta: um baita ilustrador, conheci seus trabalhos na década de 70... com muito custo comprei os 3 volumes...via e revia suas ilustrações vigorosas diariamente....
http://frankfrazettamuseum.com/

Gill Elvgren: não dá pra deixar de fora este grande artista que pintava as pin-ups mais bonitas e gostosas  que já vi na vida, trabalhou muito para a publicidade americana fazendo ilustrações para a General Eletric, Coca-Cola entre outras...
http://www.gilelvgren.com/GE/

Robert McGinnis: outro grande artista, foi aprendiz nos estúdios Disney, foi para a Dell onde fez muitas ilustrações para capas de revistas, cartazes... com um belo desenho e uma composição fantástica, fazia também muitas mulheres usando apenas calcinhas, deixando a vida mais excitante! ..ainda vivo aos 86 anos..
http://www.americanartarchives.com/mcginnis.htm

Bob Peack:  com seu Design inovador criou vários cartazes que até hoje são conhecidos, até Plutão, Star Trek, Superman, Apocalypse Now entre outros.....
http://www.bobpeak.com/

 Foi muito difícil deixar de fora outros artistas ilustradores e “quadrinhistas” caras como Neal Adams, Moebius, Serpiere, Manara, Joe Kubert Jim Bama entre tantos, fiquei apenas com os artistas americanos clássicos...pra saber mais sobre esses artistas e seus trabalhos basta colocar o nome deles nos googles da vida e boa viagem!!! 





11 - Além de desenhar, você faz fotos muito interessantes. Como a fotografia ajuda no seu trabalho com desenho?

AM: Putz, adoro fotografia, tenho uma pequena coleção de maquinas antigas analógicas!!! Rsss.. as fotos sempre ajudaram e muito os ilustradores...é uma mão na roda!... mas gosto mesmo de sair fotografando tudo que acho interessante... o engraçado que tenho muitas fotos minhas no Face, estou chegando a conclusão que eu mesmo me acho interessante!! Hahahaha... mas também gosto  de ficar esculpindo algumas coisas para me “desestresar” rssss... quem sabe algum dia eu consiga fazer um busto meu, transformar em bronze e colocar na porta de entrada de casa!! Rsssss 





12 - Augusto Minighitti, foi um prazer entrevistá-lo e agradeço por compartilhar um pouco mais sobre sua experiência profissional. Diferente dos entrevistados anteriores, não o conheço pessoalmente, mas acompanho seu trabalho pelas redes sociais, e elas constantemente são referências para mim. Para finalizar, o que você gostaria de falar a todos aqueles que estão começando a rabiscar nas páginas finais de seus cadernos escolares e àqueles que estão buscando trabalhar com ilustração?

AM: Meu caro amigo Charles, o prazer foi meu e eu que te agradeço por sua gentileza! Não sei se foi exatamente o que vc queria saber mas a vida de desenhista é assim mesmo, sol em um dia chuva, noutro, sorte, azar....o bacana mesmo é poder deixar alguma coisa para o pessoal que está chegando, não acho que deva ser referência pra ninguém, mas de toda forma tentarei fazer o meu busto de bronze!!! Hahahahaha...!!!... para o pessoal que estão começando a rabiscar nas páginas finais de seus cadernos, quando acabar comece outro... outro... outro... outro... e muitos mais outros sempre!.. estude sempre, pesquise, leia, veja filmes, teatro, fotografe, pinte... e vez ou outra corra atrás de uma mulher (depende do gosto de cada um), porque ninguém é de ferro rssss...mas mantenha o foco que tudo dará certo...!!!:)
..vamos ver se uma hora tomamos um café Charles...
Um grande abraço a todos.







Bueno gurizada, esta foi a entrevista desta semana. Levei um bom tempo selecionando as imagens para este post, pois ele possui muito material, e acreditem, teve muita coisa boa que acabou ficando de fora. Vocês podem acompanhar seu trabalho através das redes sociais como facebook e orkut, mas lembrem-se apenas de não serem inconvenientes. Ninguém gosta de uma mala sem alça nos incomodando, mesmo que virtualmente, ok?! Bom senso, galera.

Augusto, agradeço por ter cedido um pouco do seu tempo para responder a estas perguntas. Acredite, você é referência para mim e muitas pessoas mais, e espero que consiga fazer seu busto de bronze para pôr na porta da sua casa. E quanto ao café, uma hora que eu for a São Paulo dou um jeito de avisar para marcarmos. Valeu mesmo.

E gurizada, por hora é isto. Nos vemos num próximo post ou entrevista.
Hasta luego, indiada!!

Nenhum comentário: